Perguntas Frequentes



  • Questões Gerais
  • Acerca do Kit Bebé Vida
  • Criopreservação
  • O nosso Laboratório
  • Banco Privado e Banco Público

O sangue do meu Bebé pode ser utilizado em contexto autólogo (nele próprio)?

O sangue do cordão umbilical pode ser utilizado em contexto autólogo, sempre que o profissional de saúde assim o indicar. No entanto, interessa sublinhar que nos casos em que estejamos perante uma doença de origem genética a utilização do sangue do próprio, para tratamento no próprio, poderá não ser um recurso viável, dado que as células estaminais possuem essa mesma informação e não poderão “curar” definitivamente a doença.
 
No entanto, terão uma utilidade diferente e não menos útil, pois poderão estagnar e regredir a doença, durante determinado período de tempo. Permitindo ao paciente uma melhoria de qualidade de vida e acima de tudo “ganhar tempo” para encontrar uma outra opção de cura.
 
Importa referir que nos casos de doenças que não tenham origem genética, as células estaminais do sangue do cordão umbilical poderão ser utilizadas sem restrições, desde que o médico assim o aconselhe.

Para além do meu Bebé quem mais pode utilizar as suas células estaminais?

Desde que sejam compatíveis, em princípio, toda a família poderá utilizar as células criopreservadas.

Para o efeito, os pais necessitam de o autorizar (ou o próprio bebé, quando atingir a maioridade).

Como poderei saber se as Células do meu filho são compatíveis com um familiar?

Para o efeito será necessário efectuar um teste de compatibilidade HLA (antigénios de leucócitos humanos) entre o dador (pessoa que guardou as células do sangue do cordão umbilical) e o beneficiário (pessoa doente).
 
Com este teste visa-se auferir a compatibilidade de pelo menos quatro ou cinco parâmetros, dos seis parâmetros analisados, para minimizar o risco de rejeição quando as células forem transplantadas no paciente.

A Bebé Vida, por sua iniciativa própria, pode disponibilizar as células do meu filho a outra pessoa que delas venha a necessitar?

Não. A Bebé Vida  nunca poderá disponibilizar as células do seu bebé a outrem.

Poderei vender as células do meu Bebé?

Não. É expressamente proibida a venda.

Quais as diferenças das opções de criopreservação disponibilizadas pela Bebé Vida?

A Bebé Vida disponibiliza dois serviços distintos de criopreservação. A criopreservação do Sangue do Cordão Umbilical (SCU) e a criopreservação do Tecido do Cordão Umbilical (TCU).

O serviço referente ao SCU consiste no isolamento e criopreservação das células estaminais hematopoiéticas presentes no sangue do cordão umbilical. Estas células diferenciam-se em células de linhagem sanguínea e têm sido colocadas pelas pesquisas actuais como elementos de grande importância em terapias hematológicas e oncológicas, tais como leucemias, linfomas e anemias. 

O serviço referente ao TCU consiste  no processamento e criopreservação das células estaminais mesenquimais presentes no tecido do cordão umbilical. Estas células encontram na capacidade imunomoduladora o seu grande potencial. A sua utilização como coadjuvante ao transplante hematopoiético alogénico (dador e receptor são pessoas diferentes) permite minimizar complicações pós-transplante tais como a Doença do Enxerto Contra o Hospedeiro (GVHD). Esta complicação é frequente neste tipo de transplante e é também uma das mais temíveis. 
As células estaminais mesenquimais são células indiferenciadas com capacidade de auto-renovação e multiplicação. Podem diferenciar-se noutras linhagens celulares, tais como: osteoblastos (osso), adipócitos (tecido adiposo) e condrócitos (cartilagem). 
Embora, actualmente, estas células apenas possam ser disponibilizadas conjuntamente com o Sangue do Cordão Umbilical, para a GVHD, existem em curso mais de 200 ensaios clínicos com recurso às mesmas pelo que o futuro poderá revelar-se verdadeiramente promissor.

É importante referir que a Bebé Vida está autorizada a analisar, processar, armazenar e distribuír tanto as células estaminais do sangue como as do tecido do cordão umbilical.

Para que serve o fragmento do cordão?

O Laboratório BEBÉ VIDA criopreserva no Banco Paralelo, denominado de Seroteca Fetal, o plasma do sangue do cordão umbilical, glóbulos vermelhos do sangue do cordão e um fragmento do cordão umbilical, num equipamento apropriado, a uma temperatura -70ºC.

Com a criopreservação do fragmento do cordão umbilical os nossos clientes terão acesso a um conjunto de testes especiais, tais como:  testes genéticos e caracterização do perfil HLA do bebé, evitando deste modo a utilização das células estaminais armazenadas.

Quando devo encomendar o Kit BEBÉ VIDA?

A partir do momento em que decidir guardar as células estaminais do seu bebé poderá solicitar-nos o Kit de recolha.

O Kit BEBÉ VIDA  poderá ser adquirido até ao último dia de gravidez. No entanto, aconselhamos que o faça com algum tempo de antecedência da data prevista para o parto (dois meses antes preferencialmente), para que possa ler e ter acesso a toda a documentação.

A recolha do sangue é dolorosa?

Não. A recolha do sangue do cordão umbilical é um acto simples e indolor, não apresentando quaisquer riscos para a mãe ou para o bebé.

Porque devo criopreservar?

O Sangue e o Tecido do Cordão Umbilical, são fontes de células estaminais (CE), tais como outras existentes no nosso corpo. A recolha destas células a partir destas fontes, apresenta inúmeras vantagens em comparação com as restantes.
É importante, ao tomar a decisão, que tenha consciência que as CE do Sangue e do Tecido do Cordão Umbilical, são mais uma opção terapêutica disponível para terapia, e que esta opção deixa de estar disponível, logo após o nascimento do seu bebé.

São cada vez mais os casos de sucesso em terapias com recurso a CE do Sangue e Tecido do Cordão. Veja aqui porque deve criopreservar o Sangue e o Tecido do Cordão Umbilical.

Porque devo escolher BEBÉ VIDA?

São muitas as razões que fazem com que o laboratório BEBÉ VIDA seja a melhor opção para criopreservar as células estaminais do seu bebé:
Antiguidade: Laboratório com 10 anos de experiência, 100% português
Segurança e Solidez: Os 5 estatutos PME Líder, o banco de backup, a reserva financeira e o seguro multirriscos, dão aos nossos clientes a segurança que procuram na escolha do laboratório de criopreservação.
Compromisso: Temos como missão principal, garantir a viabilidade das amostras de quem nos escolhe. Procuramos através de formações contínuas, certificações e dos melhores equipamentos, garantir a qualidade e excelência do nosso serviço.
Honestidade: Todas as nossas certificações estão disponíveis para consulta. Todas as nossas garantias são asseguradas aos pais. A porta do nosso laboratório está aberta a todos os que nos quiserem visitar.
Rigor: Decisões e opções sempre fundamentadas em estudos e literaturas de autores reconhecidos.
             - Serviços de Criopreservação
             - Critérios laboratoriais
             - Kit para transporte a temperatura controlada

O que é o Kit BEBÉ VIDA?

O kit trata-se de uma pequena mala onde constam todos os materiais necessários para que o profissional de saúde efectue a colheita do sangue do cordão.
 
É composto também por uma pasta de documentação que deverá ser lida e alguns desses documentos deverão ser assinados e devolvidos conjuntamente com o sangue para o nosso laboratório.

É necessário ter algum cuidado em especial com o Kit BEBÉ VIDA?

Não, o kit está completamente preparado para ser entregue à equipa médica, no dia do parto.
Deixamos algumas recomendações importantes:
- Colocar o kit junto à mala de maternidade
- Não expor diretamente o kit ao sol
- Manter o kit, antes e após a colheita, sempre à temperatura ambiente.

Não colocar o kit ou os seus componentes no frio.

Caso a bolsa de sangue se rompa, tal inviabiliza a colheita?

No interior do kit Bebé Vida encontram-se duas bolsas de sangue. Caso aconteça algum imprevisto com a primeira bolsa, a colheita de sangue não será inviabilizada, basta o profissional de saúde utilizar a bolsa de reserva.

No caso de gémeos ou trigémeos terei de adquirir dois ou três Kits?

Sim, deverá adquirir um kit para cada um dos bebés. 

O que devo fazer após o parto, para que as amostras cheguem ao laboratório?

No momento do parto, o profissional de saúde procede à recolha das amostras. De imediato as mesmas são acondicionadas no interior do kit, e este ser-lhe-á devolvido. Assim que esteja com o kit em seu poder, deverá efetuar o contacto para agendamento do transporte do kit desde a maternidade até ao laboratório BEBÉ VIDA. Os contactos e horários, encontram-se destacados no topo do kit de recolha.

E se o meu bebé nascer fora do horário indicado?

Neste caso, deverá aguardar pelas 9h00 do dia seguinte. Apesar do kit estar testado e certificado para garantir a viabilidade das amostras no período entre e recolha e a chegada ao laboratório, o contacto para agendamento do transporte é prioritário.

Quando o sangue chega ao laboratório BEBÉ VIDA como procedem?

A amostra passa pela fase do processamento e isolamento (e contagem) de células estaminais.
 
São efectuados testes de viabilidade celular, testes bacteriológicos e viricos e caso a amostra preencha os requisitos predefinidos será criopreservada, pelo período contratado pelos pais.

Quais os requisitos do laboratório BEBÉ VIDA para que uma amostra possa ser criopreservada?

Para que a sua amostra seja criopreservada, esta deve reunir os seguintes requisitos: 
 
volume> 36ml + viabilidade celular> 80% + número total de células nucleadas> 200 Milhões ou total de células CD34+> 2 Milhões + marcadores das hepatites B e C, HIV 1+2, Sífilis negativos.

Porque razão existem amostras que não são criopreservadas?

Normalmente uma amostra não é criopreservada porque o volume de sangue recolhido, na altura do parto, é insuficiente. Esta situação condiciona o número de células que se encontram na amostra.
Assim, quanto maior for o volume de sangue recolhido, maior será a probabilidade da amostra vir a ser criopreservada.

No nosso laboratório temos uma taxa de sucesso de criopreservação superior a 90%.

Quando o resultado das análises revela que a amostra sofre de contaminação bacteriana, esta pode ser utilizada para a terapia?

Sempre que uma amostra apresenta contaminação bacteriana o nosso procedimento é identificar a bactéria e verificar a sua susceptibilidade ao antibiótico.

Nesta sequência, se amostra de sangue for solicitada para terapia celular os resultados serão sempre comunicados ao médico terapeuta.
 
Segundo a Associação Americana de Bancos de sangue (em circular informativa acerca do uso de produtos para Terapia Celular) a contaminação bacteriana de produtos celulares raramente produz efeitos graves, desde que acompanhada por tratamento anti-bacteriano antes do transplante.

A amostra do meu Bebé pode ir para investigação, caso não seja criopreservada?

Não, no laboratório BEBÉ VIDA não fazemos investigação e sempre que uma amostra não cumpre os requisitos para ser criopreservada, a mesma, será descartada e destruída.

O laboratório BEBÉ VIDA divide a amostra em duas partes, isso significa que uma amostra pode vir a ser utilizada duas vezes?

Para resgate e utilização de uma amostra são tidos em conta alguns factores, nomeadamente:
a) O peso do paciente;
b) A idade do paciente;
c) O estado clínico do paciente (a gravidade da doença e o estádio da mesma);

Paralelamente aos três factores acima enumerados ainda há que considerar o nº de células que foram recolhidas e armazenadas e a própria evolução da ciência no que concerne à técnica utilizada.

Nesta sequência, e segundo vários artigos científicos, a taxa de sucesso associada ao transplante de sangue do cordão umbilical é mais elevada sempre que forem utilizadas um nº de células mononucleadas superior ou igual a 15 milhões de células por cada kg do paciente.

Assim, quanto mais grave for a avaliação clínica do paciente maior será o nº de células a utilizar.

No laboratório BEBÉ VIDA as amostras são criopreservadas em bolsas bi-compartimentadas. Provavelmente a amostra será utilizada na totalidade, mas, se tal não for necessário, poderá ficar uma reserva criopreservada.
 
No futuro prevê-se a possibilidade de expansão destas células. Quando tal for possível, as amostras poderão serão certamente utilizadas várias vezes.

O que acontece à amostra no final do contrato de criopreservação?

O Laboratório BEBÉ VIDA efectuará um teste de viabilidade celular à sua amostra existindo a possibilidade de renovar a criopreservação, pelos prazos e preçário que vigorarem, nessa data.

No caso das crianças que tiverem atingido a maioridade, serão elas a decidir se pretendem ou não renovar o prazo contratual.
 
Os pais serão notificados por carta.

Não se esqueça de nos comunicar caso a sua morada de residência se altere.

O laboratório BEBÉ VIDA está certificado?

Sim, o laboratório BEBÉ VIDA encontra-se devidamente certificado pela qualidade pela norma ISO 9001:2008.

Para além desta certificação, está também licenciado pela Direção Geral de Saúde (ao abrigo da legislação portuguesa Lei 12/2009 de 26 de Março) e autorizado pelo Infarmed.

Onde são armazenadas as amostras recolhidas?

As amostras são armazenadas no laboratório BEBÉ VIDA, situado na cidade do Porto (Avenida de França).

O laboratório BEBÉ VIDA já disponibilizou alguma amostra para terapia celular?

Sim, no início de Abril de 2010 foi resgatada uma amostra, criopreservada desde 2008, para terapia celular de uma bebé nossa cliente, que sofre de paralisia cerebral (para terapia experimental).

 Ao abrigo do projeto Bebé Vida Sorrisos o custo da terapia foi integralmente suportado pelo nosso laboratório.

Existe algum seguro para uma situação de falência?

Não existe nenhuma seguradora que faça seguros para este tipo de atividade, dada a especificidade da mesma. Cada amostra tem um valor inestimável para cada um dos nossos clientes. No entanto, e ao abrigo da Lei 12/2009, a BEBÉ VIDA celebrou parceria com o grupo Famicord para banco de backup, com vista a proporcionar aos pais mais uma garantia de segurança. Este acordo tem como objetivo reduzir o risco associado, ainda que seja uma possibilidade remota, a uma eventual interrupção da atividade do Laboratório Bebé Vida. Neste contexto, o Grupo Famicord assegura a continuidade dos compromissos assumidos pela Bebé Vida para com os seus clientes. 
A BEBÉ VIDA adotou também um plano de contingência fazendo uma reserva financeira contabilística, para as amostras criopreservadas no nosso laboratório.

Quem tem acesso às salas de criopreservação?

Apenas os técnicos autorizados, da equipa BEBÉ VIDA, têm acesso às salas brancas e à sala de tanques de criopreservação.

Este acesso é feito através da identificação de impressão digital.

A quem pertence a infraestrutura laboratorial?

As infraestruturas, ou seja, o laboratório, pertence na sua totalidade à BEBÉ VIDA. O nosso laboratório foi construído de raiz, com o propósito de processar, criopreservar e armazenar as amostras de todos os nossos clientes. Não estamos inseridos em polos empresariais, não criopreservamos em instalações alugadas e não criopreservamos para outras marcas.

Posso visitar o laboratório?

Sim. Poderá visitar-nos sempre que desejar. As nossas instalações estão preparadas para receber todos os pais e profissionais de saúde que nos queiram conhecer e saber mais sobre a criopreservação de células estaminais. Encontramo-nos abertos 7 dias por semana.

Quais as principais diferenças entre o Banco privado Bebé Vida e um Banco Público?

Banco Privado BEBÉ VIDA:
Ao recorrer a um Banco Público estará a fazer uma doação em que renuncia todos os direitos sobre as células do seu bebé. Este banco está ligado a uma rede de registos mundial e as células do seu bebé entrarão neste registo, para serem utilizadas por quem necessite. As amostras que não cumpram os requisitos para serem criopreservadas serão utilizadas para investigação ou para controlo de qualidade. As células passam a ser propriedade do Banco Público e não dos pais (como acontece no Banco Privado).

Como ficarei a saber se as células do meu Bebé foram criopreservadas com sucesso?

Banco Privado BEBÉ VIDA:
A BEBÉ VIDA  faculta, aos pais, um relatório detalhado com o resultado das análises efectuadas à amostra do sangue do cordão umbilical e com o resultado da criopreservação. Os pais só pagam o serviço se a criopreservação for efectuada com sucesso. Recebem ainda um certificado de criopreservação. 
No caso da amostra não ser criopreservada, as células estaminais do bebé serão destruídas. A BEBÉ VIDA não as utiliza para investigação.
  
Banco Público:
Os pais que recorrem a este Banco fazem uma doação e, como tal, as células deixam de ser sua ‘propriedade’ para passar a ser ‘propriedade’ do Banco. As células poderão ser criopreservadas, disponibilizadas para terapia celular, destruídas ou utilizadas para investigação. O Banco não tem que dar qualquer tipo de satisfação aos pais (doadores) acerca do bem doado (sangue do cordão umbilical). Por se tratar de uma doação os pais não pagam este serviço.

Isto significa que no Banco Público eu não tenho qualquer direito sobre a minha amostra?

Sim, é verdade. No banco público quem faz a doação não tem direitos especiais sobre as células, tal como nas dádivas de sangue. Ao contrário no Banco Privado BEBÉ VIDA os pais e o próprio bebé são os únicos ‘proprietários’ das células (as células ficam ‘propriedade’ dos pais até o bebé atingir a maioridade).

Qual a probabilidade da amostra estar disponível se eu precisar dela?

Banco Privado BEBÉ VIDA:
A amostra é sua e por isso estará imediatamente disponível.

Banco Público:
A amostra foi doada e poderá não estar disponível.

É possível criopreservar simultaneamente as células do sangue do cordão umbilical num Banco Público e num Banco Privado?

Não, a amostra de sangue recolhida, aquando da colheita, é sempre muito pequena. Assim, a hipótese de repartir a amostra pelos dois bancos é praticamente nula e quase impossível de executar tecnicamente.