Bactérias intestinais saudáveis restauradas através de transplante de células estaminais

Investigadores no Japão descobriram recentemente uma ligação entre o transplante de células estaminais hematopoiéticas (HCT) – no qual as células estaminais que têm a capacidade de se diferenciar em diferentes tipos de células sanguíneas são removidas de um dador e transplantadas no paciente – e as bactérias do trato digestivo, vulgarmente conhecidas como a microbiota intestinal.

O inibidor da proteína de apoptose ligado ao X (XIAP) é uma doença imunodeficiente rara que ocorre na infância ou na primeira infância. É frequentemente acompanhada por doença inflamatória intestinal grave (DII) que pode ser tratada com Células Estaminais Hematopoiéticas.

Num estudo publicado no The Journal of Allergy and Clinical Immunology: In Practice, investigadores da Universidade de Medicina de Tóquio (TMDU) revelaram que o transplante, para além de melhorar os sintomas, normaliza a microbiota intestinal dos doentes com DII.

”Sabemos que a microbiota intestinal é alterada em doentes com DII”, diz o autor principal Shintaro Ono. Uma vez que o transplante de células estaminais pode curar a DII em doentes com deficiência do XIAP, quisemos investigar se a microbiota intestinal também foi alterada nestes doentes”.

Para tal, os investigadores examinaram a microbiota intestinal dos pacientes antes e depois de se submeterem ao transplante. Compararam então a composição e diversidade da microbiota de cada paciente com a dos seus familiares mais próximos, que foram utilizados como controlos saudáveis.

”Como esperado, quase todos os doentes conseguiram a remissão do DII”, explica o autor principal Hirokazu Kanegane. Verificámos também que a microbiota intestinal dos pacientes, muito diferente dos seus familiares antes do transplante, passou a ser muito semelhante aos familiares depois do mesmo.

Em particular, a microbiota intestinal de cada paciente antes do transplante era menos diversificada e continha menos bactérias do grupo dos Bacteroides, que têm estado ligadas à diabetes, obesidade e síndrome do cólon irritável.

“Os nossos resultados indicam que o transplante diminui a inflamação intestinal e restaura a microbiota intestinal em doentes com deficiência do XIAP”, diz Kanegane.

Assim, embora a taxa de sobrevivência do transplante se mantenha em cerca de 85%, é um tratamento muito promissor para pacientes com DII associada à deficiência do XIAP. A investigação destinada a melhorar a taxa de sobrevivência dará ainda mais esperança aos doentes e às suas famílias.

Quer saber mais sobre Células Estaminais?