Dra Joanne Kurtzberg visita o Laboratório BebéVida Dra Joanne Kurtzberg visita o Laboratório BebéVida

BebéVida entrevistada pela País Positivo

O Dia Mundial do Sangue do Cordão celebrou-se no dia 17 de Novembro. Para comemorar esta importante data, a BebéVida foi entrevistada pela revista País Positivo.

Como é que a BebéVida contribui para utilização do Sangue do Cordão Umbilical e a quem se destinam os seus serviços?

Em 2020, a BebéVida, o seu 16o aniversário. Somos um banco de tecidos e células especializado na criopreservação de células estaminais com origem no sangue e no tecido do cordão umbilical. Disponibilizamos aos nossos clientes uma ampla variedade de serviços dos quais salientamos 3: BebéVida Sangue, BebéVida Plus (BebéVida Sangue + Tecido fragmentado) e BebéVida Prime (BebéVida Plus + tecido isolado), para os quais poderão encontrar mais informação no nosso site www.bebevida.com. Todos estes serviços podem ser adquiridos a pronto ou a crédito, sem juros, em prestações que vão desde os 23€/mês durante 60 meses.

O nosso mercado abrange todo o universo de futuras mães focadas na sua saúde e dos seus e que acreditam no facto de as células estaminais que guardamos tornarem-se essenciais para os seus filhos, se por acaso alguma coisa vier a correr menos bem no futuro e assim poderão ter uma espécie de “seguro” ao qual poderão recorrer. Em Portugal, por ano, existem cerca de 87 000 partos, e são essas famílias o alvo da nossa atenção para lhes podermos proporcionar as melhores soluções com a máxima qualidade possível.

Nesta linha de foco na mulher grávida, iniciamos há dias, em conjunto com um laboratório de referência, em Portugal, a comercialização de um serviço de testes genéticos pré-natais não invasivos que avaliam o DNA do bebé e a probabilidade de este ter determinada doença genética como o caso de Trissomia 21 (Síndromede Down).

Sendo a BebéVida um Banco de Tecidos e Células qual a sua função e como desenvolve a sua atividade?

A função da BebéVida é processar e guardar as células estaminais do sangue e do tecido do cordão umbilical recolhidas no momento do parto. Antes do parto, os Pais entregam aos profissionais de saúde um kit de colheita que lhes foi disponibilizado anteriormente por nós e onde os profissionais de saúde colocarão os produtos biológicos colhidos durante o parto. Após o parto, este kit é entregue aos Pais que entram em contacto com a transportadora contratada para o efeito, através de um número indicado na caixa do próprio kit. O transporte é feito até ao nosso laboratório onde uma equipa especializada efetua o processamento das amostras.

De seguida será iniciado o arrefecimento progressivo das mesmas e só depois serão colocadas nos tanques arrefecidos por azoto líquido, onde permanecerão, se não for necessária a sua utilização, por um período de 25 anos. Se por alguma razão for necessária a utilização destas amostras, a BebéVida assegura o transporte das mesmas até à unidade de transplante escolhida para ser efetuado o tratamento adequado.

O nosso laboratório está situado na Av. de França, no Porto, tendo sido construído de raiz para ser um Banco de Tecidos e Células.

De que forma um Banco de Tecidos e Células 100% nacional situado em território Português se posiciona no mercado?

Acreditamos que só devemos fazer internamente o que fizermos melhor do que os outros.

Desde o momento da colheita até à criopreservação não deverão passar mais de 72 horas, por isso, ter um laboratório em território português é assim uma vantagem. Por outro lado, em Portugal, temos a felicidade de dispor de colaboradores altamente especializados e competentes que nos permite ter quadros formados de nível mundial.

Temos a felicidade de ver reconhecido esse valor não só cá como também no estrangeiro. Desde 2016 a empresa tem-se internacionalizado, começando a receber amostras de Espanha. Em breve iremos começar a receber também de Itália, o que comprova que não são só os portugueses a acreditar e a confiar na qualidade que o País tem como também os estrangeiros.

O que a Criopreservação pode fazer pela saúde da nossa família e em que medida a BebéVida tem contribuído para o desenvolvimento nesta área?

Desde o primeiro transplante, em 1988, numa terapia aplicada a uma criança americana com Anemia de Fanconi, e ao longo dos últimos 32 anos foram já efetuados mais de 40 000 transplantes com células do sangue do cordão umbilical em todo o Mundo. Atualmente mais de 80 doenças podem beneficiar de tratamento com estas células estaminais (www.bebevida.com). Estão, ainda, em curso mais de 370 ensaios clínicos nas mais variadas patologias, inclusivamente para tratamento da Covid-19.

Dra Joanne Kurtzberg visita o Laboratório BebéVida

As vantagens de guardar o sangue do cordão umbilical são várias: a amostra recolhida sem dor para mãe e bebé é 100% compatível com próprio e a compatibilidade entre irmãos é de 25%; e existem menos complicações pós-transplante e a disponibilidade da amostra é imediata.

A BebéVida contribuiu no tratamento de uma criança portuguesa com paralisia cerebral que foi tratada na Universidade de Duke nos EUA. Recentemente, foi reportado em vários órgãos de comunicação social o transplante de sangue do cordão autólogo, realizado no IPO de Lisboa, numa criança que padecia de uma Anemia Aplástica Grave.

O que dizemos aos Pais é: “Não deitem fora o cordão do Vosso bebé. Guardem-no! Seja num Banco Público ou num Banco Privado”.

Os Pais que decidam não guardar as células podem doá-las, sem qualquer tipo de custo, à BebéVida para investigação, contribuindo para a evolução da Ciência e para um futuro melhor.

Quer saber mais sobre Criopreservação?

Considera que para a BebéVida a Investigação e o Desenvolvimento (I&D) tem um papel primordial?

Sem dúvida nenhuma. Como já dissemos, acreditamos que só devemos fazer internamente o que fizermos melhor do que os outros. No que não formos melhores procuramo-los e juntamo-nos a eles, para poder oferecer o melhor que existe disponível no mundo.

No início deste ano, a BebéVida assinou um protocolo com uma empresa espanhola de terapia celular que está a investigar o desenvolvimento de um medicamento, implicando do nosso lado uma evolução na metodologia de processamento do tecido para que em conjunto possamos prestar um melhor serviço ao nosso cliente.

Fruto da nossa cooperação com Universidades portuguesas estão igualmente em curso estudos de investigação para aplicação destas células em doenças tão atuais como cancro ou a diabetes.

A empresa tem o único laboratório português com Acreditação FACT. Qual a importância deste reconhecimento?

A FACT é uma acreditação americana renovada de 3 em 3 anos, específica para Bancos de Sangue e Tecidos do Cordão obrigando-nos a evoluir continuamente em busca das melhores soluções a nível mundial. Para os Pais é a garantia que as amostras aqui guardadas são aceites nos Centros de transplante em qualquer parte do Mundo. A BebéVida é um dos 6 laboratórios privados mundiais com esta acreditação e única em Portugal.

Para além do reconhecimento científico do que fazemos, existem outros que nos enchem de satisfação. Desde logo o reconhecimento da nossa solidez financeira. Das 300 000 PME’s a operar em Portugal, apenas cerca de 1/3 é PME Líder, e destas apenas cerca de 2 000 são PME Excelência. A BebéVida é a única empresa do setor de criopreservação, em Portugal, com estes 2 estatutos, PME Líder há 10 anos consecutivos e PME Excelência já por 3 vezes.

Costumamos dizer que é muito importante para os nossos clientes que a BebéVida esteja cá hoje, amanhã e daqui a 25 anos que é o prazo da prestação do nosso serviço. Sabemos que a solidez e a estabilidade financeira de uma empresa são um importante fator decisivo.

Que valor atribuem e como colocam em prática a responsabilidade social da empresa em prol da sociedade?

Entendemos que devemos devolver à comunidade parte daquilo que recebeu recebemos. Escolhemos sempre entidades que de alguma forma se relacionam com a nossa atividade e em cujo trabalho nos revemos e reconhecemos mérito. Assim, sempre que possível, apoiamos entidades como o IPO, VidaNorte, a Apoio à Vida, Make a Wish e Stand4good que fazem um excelente trabalho em prol da comunidade.

Outro tema que não nos deixa igualmente indiferentes é a Natalidade. À nossa dimensão procuramos incentivá-la através da organização da Maratona da Maternidade, este ano realizada nos passados dias 31 de outubro e 1 de novembro. Dado o momento particular que todos vivemos, desta vez foi um desafio à distância, onde desafiamos os Pais, futuros pais e respetivas famílias a caminhar 3km num local à sua escolha, partilhando em seguida connosco esse momento. O evento foi um sucesso e contou com cerca de 500 grávidas.

As inscrições tinham o custo de 2€ que reverteram integralmente para a Make-A-Wish Portugal, e como ultrapassamos todos juntos, os 1000Kms percorridos, a BebéVida duplicou o valor entregue a favor desta associação.

E as questões ambientais são também alvo da Vossa preocupação?

Desde o início a BebéVida tem estabelecido um conjunto de políticas e práticas internas que visam a racionalização de recursos e a preservação do meio ambiente. Desde logo: preocupação em escolher fornecedores nacionais para evitar os impactos ambientais do transporte; escolha preferencial de materiais biodegradáveis em todas as áreas da empresa; estimular a digitalização de documentos em detrimento do papel; a substituição de equipamentos de refrigeração de reagentes e produtos biológicos por equipamentos mais eficientes em termos de consumo elétrico; a contratação de empresas especializadas para recolha e tratamento de resíduos biológicos.

Estamos a preparar a candidatura ao Programa Sê-lo Verde 2021 e a avaliar a implementação da ISO 14001/2015. Ainda agora estivemos no evento Planetiers World Gathering, no Altice Arena. Este é o maior evento mundial para inovação sustentável, conectando as mais inovadoras startups de impacto social e ambiental, comunidades e cidades, soluções sustentáveis do dia-a-dia e os agentes de mudança mais inspiradores do mundo debaixo do lema nos quais nos revemos: “We have to make the difference”.

Saber mais