Cientistas criam folículos capilares e conseguem fazer crescer cabelo

Escrito August 19, 2016
Agosto 2016

Cientistas criam folículos capilares e conseguem fazer crescer cabelo

O Processo
Os investigadores desenvolveram um método que permitiu “transformar” células estaminais pluripotentes em células da papila dérmica, uma população celular única responsável pela regulação da formação de folículos capilares e do seu ciclo de crescimento. “É importante esclarecer que este método não se trata de um transplante de folículos, como é feito atualmente, mas sim a criação de novos folículos “como explica Alexey Terskikh, principal autor do estudo publicado na revista científica PLOS One. “Utilizámos células estaminais humanas para criar novas células capazes de iniciar o crescimento de cabelo. Este método constitui-se como um avanço marcante em relação aos atuais, que usam o transplante de folículos capilares já existentes de uma parte da cabeça para outra”, explica, em comunicado. De acordo com Terskikh, as células estaminais “fornecem uma fonte ilimitada de células do próprio paciente para transplante sem que existam problemas relacionados com a falta de disponibilidade de folículos capilares já existentes”.



Demonstração do processo de formação da papila dérmica em laboratório. Os novos pêlos são bem visíveis em cultura celular / Fonte: Gnedeva et al., 2015 PLoS ONE


As diferenças deste método em comparação com outro já existente 
Segundo os pesquisadores, as células da papila dérmica não são adequadas para transplante porque não podem ser obtidas nas quantidades necessárias, perdendo, rapidamente, em laboratório a capacidade de induzir o crescimento capilar. O novo método, porém, tem potencial para explorar melhor as suas habilidades. “Em adultos, as células da papila dérmica perdem rapidamente as suas propriedades. Nós desenvolvemos um protocolo que faz com que as células estaminais pluripotentes se convertam em células da papila dérmica e confirmamos a sua capacidade de induzir o crescimento capilar quando transplantadas em ratinhos”, explica o coordenador da investigação.


Ensaio clinico em humanos
O próximo passo dos cientistas será “transplantar células da papila dérmica obtidas a partir das células estaminais, em humanos”. Veja os detalhes do estudo e seus avanços aqui (em inglês).


Fonte: http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0116892

Sobre a BEBÉ VIDA
Fundado em 2004 e 100% português, o Banco de Tecidos e Células Bebé Vida é o maior Banco de criopreservação de Portugal com cerca de 2500m2, construído de raiz a pensar nos diferentes serviços na área de criopreservação. Licenciado pelo Ministério da Saúde, eleito PME Excelência’ 15 e PME Líder 2010/2011/2012/2013/2014/2015, disponibiliza o serviço de criopreservação de células estaminais do sangue e do tecido do cordão umbilical de recém-nascidos.

Para mais informações
Tel.: 707 20 10 18 | geral@bebevida.com
www.bebevida.com ou www.facebook.com/paginabebevida