Transplante de células estaminais hematopoiéticas trata criança com doença metabólica rara

Escrito January 17, 2017
Janeiro 2017

Transplante de células estaminais hematopoiéticas trata criança com doença metabólica rara

 
O Banco familiar de sangue do cordão umbilical Babycell anunciou que foi efetuado um transplante com sangue do cordão numa menina de 6 anos de idade, de seu nome Neha, que padecia de uma doença metabólica com indicação para transplante. Este transplante só foi possível devido a uma programa de responsabilidade social deste banco que permitiu criopreservar a amostra de sangue do cordão umbilical do irmão da Neha, sem quaisquer custos para a família.
 
A menina Neha, com cerca de 1 ano de idade foi-lhe diagnosticada uma doença metabólica rara chamada Mucopolissacaridose (MPS VI) ou Síndrome Maroteaux-Lamy. Esta doença manifesta-se através de um grave atraso no desenvolvimento da criança.
   
Dada a gravidade da doença, a equipa médica deu nota que a única forma de poder tratar a pequena Neha, passaria por realizar um transplante hematopoético.
 
 
 

Mucopolissacaridose tipo 6 (MPS 6) é uma doença onde o paciente tem um grave deficit de enzimas lisossomais responsáveis pela degradação de glicosaminoglicanos, que ao se acumularem causam dano ao lisossomo e consequentemente a morte celular e disfunção orgânica. As crianças com este defeito genético têm uma aparência normal nos primeiros anos de vida, mas com o acumular dos defeitos a nível celular levam a uma atraso significativo no crescimento e uma alteração da sua aparência. Os sintomas mais comuns são a baixa estatura, displasia esquelética, disfunção motora, defeitos cardíacos e dificuldade visual. O estado de saúde das crianças que padecem da MPS VI degrada-se progressivamente com o tempo e raramente passam da segunda década de vida. 

 
Nessa altura foram informados pelos médicos que nos EUA, mais especificamente na Universidade de Duke, sob a égide da Dra. Joanne Kurtzberg, têm sido realizados transplantes de células estaminais do sangue do cordão para tratamento da doença da Neha. O transplante tem capacidade de corrigir o metabolismo do paciente para que passe a criar as enzimas necessárias para “limpar as suas células” e dessa forma melhorar as condições neurológicas do paciente.
 
Com as dificuldades na identificação de um dador compatível, os médicos aconselharam os pais de Neha a planear uma segunda gravidez  de forma a proporcionar uma amostra de sangue do cordão umbilical para tratamento da sua filha.
 
Os Pais de Neha assim o fizeram e recorreram a um laboratório privado, que à semelhança do programa de responsabilidade social da Bebé Vida, lhes proporcionou o serviço de criopreservação sem quaisquer custos para a família.
 
 Em Janeiro de 2016, cerca de dois anos após o nascimento do irmão, foi realizado o transplante. Atualmente, mais de 200 dias após o procedimento, Neha já fala fluentemente e está física e emocionalmente mais reativa, demonstrando um crescimento mais consentâneo com a sua idade.
 
Segundo os Pais, a saúde de Neha está a evoluir favoravelmente ao ponto de afirmarem que para eles a Neha “voltou a nascer”. A qualidade de vida desta criança foi melhorada com recurso a um transplante de sangue do cordão umbilical.
 
FONTE: https://parentsguidecordblood.org/en/news/girl-metabolic-disorder-has-life-saving-cord-blood-transplant-her-brother
 


 
Este projeto social, "BEBÉ VIDA UM BANCO SOLIDÁRIO" visa a realização da colheita, análise, processamento e criopreservação do sangue do cordão umbilical de bebés suscetíveis de terem irmãos portadores de doenças graves com potencial indicação para transplantes de progenitores hematopoiéticos.
 
“Criopreservação gratuita para familiares com baixos rendimentos e familiares portadores de doença com indicação para transplante".
 
 Todo o processo será gratuito. Para este atendimento, há um protocolo de seleção que prioriza os seguintes fatores:
 
- Comprovação da doença com indicação de transplante;
- Comprovação de baixos rendimentos.
 
Estes são fatores priorizados no processo de seleção das famílias. Todo o processo será sujeito a uma rigorosa análise e as famílias aptas terão acesso a acompanhamento personalizado.
 
Se é profissional de saúde e tem conhecimento de casos que se enquadrem no projeto
 "BEBÉ VIDA, UM BANCO SOLIDÁRIO" queira contatar-nos.
 
Sobre a BEBÉ VIDA
Fundado em 2004 e 100% português, o Banco de Tecidos e Células Bebé Vida é o maior Banco de criopreservação de Portugal com cerca de 2500m2, construído de raiz a pensar nos diferentes serviços na área de criopreservação. Licenciado pelo Ministério da Saúde, eleito PME Excelência’ 15 e PME Líder 2010/2011/2012/2013/2014/2015/2016, disponibiliza o serviço de criopreservação de células estaminais do sangue e do tecido do cordão umbilical de recém-nascidos.
 
Para mais informações
Tel.: 707 20 10 18 | geral@bebevida.com
www.bebevida.com ou www.facebook.com/paginabebevida