Jimmy P e Sílvia Plácido confiam pela 2ª vez na BebéVida

Escrito April 17, 2019
Categoria Press Releases
JIMMY P E SÍLVIA PLÁCIDO VÃO SER PAIS PELA SEGUNDA VEZ  
"ESTAMOS ANSIOSOS, CLARO" 

O artista e a mulher estão a poucas semanas de ter mais uma menina nos braços.
Partilhamos a entrevista que cederam à Revista Nova Gente, onde falam desta fase entusiasmante das suas vidas. 

Corno estão a viver esta segunda gravidez?
Jimmy P
 - Com calma e serenidade. Muitas das coisas já não são novidade, visto que já somos pais. O que queremos é estar preparados para receber a bebé num ambiente agradável e adequado para ela.

Quando está previsto nascer?
Sílvia Plácido
 - O parto está previsto para a primeira semana de maio, mas, como a bebé é que decide, nunca se sabe.

É urna menina.
JP 
- Sim, é uma menina.

Estão ansiosos com a chegada da bebé?
SP
 - Estamos ansiosos, claro, mas de uma forma diferente da primeira. Na segunda gravidez, as coisas são vividas de forma muito mais tranquila, até porque já sabemos mais ao menos o que vem aí. Com a Luana era tudo novidade, éramos inexperientes.

Já é a segunda vez que confiam na BebéVida para a recolha e preservação das células estaminais das vossas filhas. Porque o decidiram fazer?
JP
 - A primeira vez que o fizemos, fomos muito bem tratados e acolhidos. Além disso, tivemos a oportunidade de visitar as instalações e perceber as vantagens de fazer a preservação de células estaminais. Foram todos extremamente profissionais e simpáticos connosco. Não fazia sentido voltarmos a fazer criopreservacão e não ser com a BebéVida.

A Luana tem só dois aninhos. Sendo tão pequenina, entendeu o que foram fazer neste dia à BebéVida? 
SP 
- A Luana é uma criança muito curiosa e observadora, e aquele fumo todo fascinou- -a, mas ainda é muito pequenina para perceber o que viu. Mais tarde, quando ela já perceber melhor e for oportuno, vamos explicar-lhe tudo.

As células dela estão lá guardadas, explicaram-lhe isso? Como reagiu?
SP
 - Explicámos, sim, mas ainda é muito pequenina para perceber. Tudo a seu tempo. 

E está contente por vir aí uma mana? 
JP
 - Acho que ela só vai ter noção que vai ter uma mana quando ela nascer. Neste momento, dá beijinhos na mana que está na barriga da mãe, mas acho que não tem bem a consciência do que está lá dentro. Mas também já falta pouco para perceber. 

Como descreve o Jimmy como pai?
SP
 - É o melhor pai do Mundo, está sempre presente quando precisamos dele, é superpaciente e dedicado e transmite muita serenidade à Luana quando é preciso (e a mim também). 

Esta gravidez está a ser parecida com a primeira ou tem sido diferente? 
SP
 - Tem sido bastante diferente. Na primeira, consegui usufruir muito mais da gravidez. Nesta, como tenho a Luana sempre em casa, que exige muita atenção e companhia, acabo por me esquecer às vezes que estou grávida. Mas a Lara faz questão de me lembrar, com os seus pontapés. Além disso, nesta gravidez, as dores típicas começaram mais cedo, o que me limita um bocado. 

O Jimmy deu a cara por uma campanha da EDP, o Toggo o Teu Futuro, a incitar jovens a seguir a sua profissão de sonho. Como pai, é uma regra que já colocou a si mesmo, apoiar os sonhos das suas filhas?
JP - O facto de estar envolvido nestes projetos tem sido importante para me fazer crescer e entender algumas coisas. Percebi que o importante é irmos à procura das coisas e mantermo-nos em movimento. A história da minha vida ilustra isso mesmo: vim para Portugal porque sonhava jogar futebol, na faculdade desisti do meu primeiro curso a meio, trabalhei em todo o tipo de negócios pelo meio ,voltei para a faculdade para estudar Marketing... hoje, sou músico. Foi preciso passar por essas experiências todas para finalmente entender o caminho que queria seguir e, mais importante, o caminho que não queria seguir. 

Que valores pretendem passar à Luana e à tara? 
JP - No fundo, são os valores ao abrigo dos quais fomos educados. Queremos que entendam a importância da família, que sejam humildes e honestas. 
SP - Sem dúvida que o mais importante são as ligações e relações familiares. Por isso, nesta fase, queremos mesmo fortalecer esse vínculo porque acreditamos que, com uma boa base familiar, tudo o resto é mais fácil e vem naturalmente. 

É filho de Jorge Plácido, ex-futebolista. Ter vindo viver para Portugal, com a intenção de jogar no FC Porto, fez com que adotasse agora esta cidade para viver? 
JP - Sem dúvida. Nasci no Sul, mas sou completamente apaixonado por esta cidade, pelas pessoas, pela cultura. Foi a cidade que me acolheu com 17 anos, foi aqui que cresci como homem. Além disso, apaixonei- -me por uma mulher daqui, a minha filha mais velha nasceu aqui, a segunda também irá nascer cá, para mim é muito difícil conceber a minha vida noutra cidade. 

O seu pai queria ter sido músico e acabou a jogar à bola. A si aconteceu o contrário. Brincam com esta antítese? 
JP - Falamos muitas vezes sobre isso. Acredito que o facto de eu ter sucesso na minha carreira seja uma forma de ele viver esse sonho de adolescente através de mim.